SITE DE COMPRAS

Loading...

terça-feira, 16 de abril de 2013

                       Vou seguir os passos de Jesus Cristo 

Texto Básico: “Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus”. (Hebreus 12.1-2 ACF)

Texto Áureo: “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também”. (João 13.15 ACF)

Introdução

A paz de Cristo. A Escritura Sagrada, em sua totalidade aponta para a pessoa de Jesus Cristo. O Novo Testamento mostra com clareza que o objetivo final de Deus é que os cristãos se assemelhem a Jesus Cristo. (Jo 13.15; Hb 12.2) A vida cristã deve moldar-se aos exemplos deixados pelo Mestre, o próprio Verbo que se fez carne e habitou entre nós. (Jo 1.14)

Ao olhar para as ações de Jesus, registradas nos evangelhos, devemos ser compelidos pelo Espírito Santo a seguir os seus passos e andar como Ele andou. O chanceler e reverendo da Universidade Presbiteriana Mackienzie, Dr. Augustus Nicodemus, em seu recente livro “O Ateísmo Cristão e Outras Ameaças à Igreja” define “ateísmo cristão” como o ato de professar ser cristão, mas viver como se o Deus que se professa não existisse.

Verdade indubitável é que Jesus se revela nos evangelhos como alguém prático e não apenas teórico. Suas obras deixaram o fariseu Nicodemos atônito, levando-o a declarar: “... Rabi, bem sabemos que és Mestre, vindo de Deus; porque ninguém pode fazer estes sinais que tu fazes, se Deus não for com ele”. (Jo 3.2)

Em suma, nosso dizer ("eu sou cristão") deve estar de acordo com a nossa conduta ("seguir os passos de Jesus"). O padrão normal da vida cristã deve refletir o caráter de Cristo, por meio de uma busca incessante da estatura completa de Cristo. (Ef 4.13)

Desenvolvimento

O Apóstolo João, em sua primeira carta declara: “Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou”. (1 Jo 2.6)

Sendo assim, vejamos:

a) Jesus Cristo era humilde em suas atitudes. Humildade é ausência completa de orgulho e isso podia ser visto em Jesus.

“E ele, assentando-se, chamou os doze, e disse-lhes: Se alguém quiser ser o primeiro, será o derradeiro de todos e o servo de todos”. (Mc 9.35)

“De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz”. (Fp 2.5-8)

b) Jesus Cristo viveu as alegrias e aflições da vida.

Jesus era plenamente Deus e plenamente Homem. Tal afirmação é defendida com base nos seguintes argumentos: (1) Sentia emoções (Mt 9:36; 14:14; 15:32; 20:34); (2) Sentia tristeza e angústia (Mt 26:37); (3) Sentia alegria (Jo 15:11; 17:13; Hb12:2); (4) Sentia indignação (Mc 3:5; 10:14); (5) Sentia ira (Mt 21: 12,13); (6) Se surpreendeu (Lc 7:9; Mc 6:6); (7) Se sentiu atormentado (Mc 14:33); (8) Se comoveu e chorou (Jo 11:33,35,38). Ou seja, o Deus encarnado assumiu completamente a humanidade, tornando-se passível das mesmas limitações físicas e psicológicas comuns a todos os homens, expressando a sua humanidade inclusive através do choro, das lágrimas.

c) Jesus viveu em santidade.

Jesus é Aquele que "foi tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado". (Hb 4.15)

Viver em santidade é viver para os propósitos de Deus, para agradar a Deus, em vez de vivermos para nossos próprios interesses e prazeres.

d) Jesus amava as pessoas.

O escritor Paulo Brabo, em seu livro “Em 6 passos o que Jesus faria”, página 12, faz uma citação que parece escandalizadora, mas que é a pura verdade e tem respaldo bíblico:

“ (...) Jesus, que comia com estelionatários, bebia com agiotas e era amigão de prostitutas, tolerava aparentemente tudo em todos. “Eu não condeno você”, ele ousou blasfemar aos ouvidos da mulher adúltera. O rabi puxava conversa com divorciadas promíscuas, pousava sua mão sobre leprosos de que todos desviavam o olhar e dormia nas camas rendadas de inimigos do povo. O sujeito conseguiu o feito inédito de sustentar a fama de homem de Deus ao mesmo tempo que abraçava a escória da sociedade(...)”

“Portanto recebei-vos uns aos outros, como também Cristo nos recebeu para glória de Deus”. (Rm 15.7)

Jesus é para nós a motivação para aceitarmos os companheiros cristãos que pensam diferente de nós e demais pessoas. Jesus aceitou todos os tipos de pessoas em seu reino: Judeus e Gentios, Escravos e Livres, Homens e Mulheres, Ricos e Pobres, Jovens e Idosos, pessoas de formação moral reta e pessoas com estilo de vida decadente.

“E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Mt 22.39)

Conclusão

“Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também”. (João 13.15 ACF)

“Não há razão para o mundo crer que somos de Deus se agimos como o Diabo.” (Tommy Tenney)

Decida mudar. Siga os passos de Jesus Cristo. Só assim poderás declarar-se “cristão”, que significa “pequeno Cristo”.

Em Cristo,
Anderson Vieira

Bibliografia

MCCALL, Larry. Walking Life Jesus Did. 2005, Indiana: EUA, BMH Books, P.O Box 544.

NICODEMUS, Augustus. O ateísmo cristão e outras ameaças à Igreja. 2011. Editora Mundo Cristão.

BRABO, Paulo. “Em 6 passos o que Jesus faria”, página 12. 2009. Editora Garimpo.

Bíblia de Estudo Dr. Scofield, texto bíblico Almeida Corrigida Fiel, 1995, Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil.

Dicionário da Língua Portuguesa On Line. 
 

 

segunda-feira, 12 de março de 2012

Grandes Homens da Bíblia


Sabemos que o maior e mais perfeito é JESUS CRISTO, porém antes de envia-lo ao mundo, DEUS escolheu aqui outros homens para instruir, guiar e defender seu povo, dentre todos os homens escolhidos por DEUS.

 1. Abraão 


 A primeira vez que DEUS falou com Abrão foi em Gênesis 12:1, prometendo aí que faria dele uma grande nação, em Gênesis 17:5 DEUS muda seu nome para Abraão, que quer dizer pai de numerosas nações, ou pai de multidões. Gênesis 25:8 ralata a morte de Abraão.

 2. Moisés





A História de Moisés, começa no livro de Exodo 2:2, onde é relatado o seu nascimento, ele liberta o povo de Israel do Egito, e sua morte é relatada em Deuteronômio 34:7.

3. Davi





A história de Davi começa no 1º livro de Samuel,Capítulo 16, e sua morte é relatada no 1º livro de Reis, Capítulo 2, Versículo 10.

 4. Daniel



 Leia o Livro de Daniel, para conhecer a história do Profeta Daniel.

 5. Noé 



 Noé, filho de Lameque, têm seu nascimento relatado em Genesis 5:28. No capítulo 6:14, DEUS manda Noé contruir uma Arca. No Capítulo 7:1 Deus manda Noé entrar na Arca com toda sua famíllia, e com os animais segundo a escolha de DEUS. À partir do capítulo 7:10 começaram a subir as águas do dilúvio. Em Genesis 9:29 Noé morre.

 6. Jacó

 
 Gênesis 25:26 relata o nascimento de Jacó, e sua história é contada até o Capítulo 49:33, quando ele morre.

 7. José 
 Genesis 30:25 relata o nascimento de José, em Genesis 37:2 José começa a se destacar perante seus irmãos, a partir daí foram uma série de tribulações e vitórias, chegando, em Genesis 41:40, a ser nomeado pelo Faraó, governador do Egito. Em Genesis 50:26, é relatada a morte de José.

 8. Salomão


 Rei Salomão, um homem de grande sabedoria, a partir do versículo 32, do capítulo 1, do Primeiro Livro de Reis, começa a história deste que é considerado um dos homens mais sábios e mais ricos da Bíblia. Sua morte é mecionada no capítulo 11, versículo 43 do mesmo Livro.

 9. Elias 



 À partir do capítulo 17, versículo 1, de 1º Reis, vemos as profecias de Elias, até que no 2º livro de Reis, capítulo 2, versículo 11, ele foi elevado ao céu, num carro de fogo com cavalos de fogo.

 10. Sansão



 

 No Livro de Juízes, Capítulo 13, Versículo 24, nasce Sansão, que por vinte anos foi Juiz em Israel, ele liderou os israelitas na guerra contra os filisteus. No mesmo Livro no Capítulo 16, Versículo 30, Sansão derruba as duas colunas principais do templo dos filisteus, morrendo junto com todos aqueles que ali estavam.

 11. Samuel

 Profeta Samuel No capítulo 1, versículo 19, do 1º Livro de Samuel, é concebido e nasce o filho de Elcana e Ana, Samuel, que se tornará o Profeta que ungiu a dois importantes Reis de Israel, Saul e Davi. No Capítulo 25:1, Samuel morre e é sepultado em Ramá.

 12. Gideão




 
 Para conhecer um pouco da história de Gideão, leia o Livro de Juízes capítulo 6:11 até o capítulo 8:35


 Mas o único mrecedor de toda honra,gloria e louvor é  JESUS o único e verdadeiro merecedor da nossa adoração ... OS DEZ MANDAMENTOS - Êxodo 20. 1 a 17 1 - Então falou Deus todas estas palavras, dizendo: Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. 2 - Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam. E faço misericórdia a milhares dos que me amam e aos que guardam os meus mandamentos. 3 - Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão. 4 - Lembra-te do dia do sábado, para o santificar. Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra. Mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus; não farás nenhuma obra, nem tu, nem teu filho, nem tua filha, nem o teu servo, nem a tua serva, nem o teu animal, nem o teu estrangeiro, que está dentro das tuas portas. Porque em seis dias fez o Senhor os céus e a terra, o mar e tudo que neles há, e ao sétimo dia descansou; portanto abençoou o Senhor o dia do sábado, e o santifico 5 - Honra a teu pai e a tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que o Senhor teu Deus te dá. 6 - Não matarás. 7 - Não adulterarás. 8 - Não furtarás. 9 - Não dirás falso testemunho contra o teu próximo. 10 - Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.







sexta-feira, 9 de março de 2012

Mulher Virtuosa


    Este texto é para você mulher que está disposta a ter um novo conceito, um novo padrão de vida, novas oportunidades, novas realizações e novo valor pessoal.
Que tipo de Mulher você é?
Não resta dúvida que Deus teve um motivo especial para incluir detalhes mínimos da vida pessoal de diferente mulheres na bíblia. Há uma lista de mulheres na bíblia que inclui:
Eva - A nossa 1a Mãe, uma mulher audaciosa que expôs satanás. Quando Deus perguntou
Adão em gênesis 3:12, a Mulher que tu me deste por esposa, ela me deu da árvore, e eu comi. ( Adão expôs Eva, pois antes no cap.2:23 Adão diz esta é osso dos meus ossos, carne da minha. e depois no cap. 3:12 ele diz ao Senhor : "A mulher que tu me deste," ela me deu da árvore.
Mas Eva ela foi audaciosa ao expor satanás, no ver. 13 ela responde ao Senhor:- A serpente me enganou. Em outras palavras ela enfrentou satanás.

Raquel- O exemplo de que vale a pena lutar pelo amor, vale a pena lutar até a morte.
Ana- É tudo ou nada, ela pede ao Senhor para intervir na sua infertilidade. Ela ORA!!
Rute- Prova que não se deixa devorar pela solidão, é uma mulher que trabalha, que se ocupa.
Maria- Ela esquece de si própria. Deixou aquele caríssimo perfume de nardo cair até a
última gota sobre os pés de Jesus.

Trifena e Trifosa- as gêmeas que foram amigas de Febe, aquela grande Diaconisa da
Igreja.

Em Provérbios 31:10 diz: Mulher Virtuosa quem a achará?
Este texto fala de uma mulher sadia, virtuosa, responsável e cheia do Espírito Santo de Deus. Trabalha de bom grado, tem prazer no que faz, uma mulher que luta, mulher cheia de esperança, é uma mulher sábia.
Vamos entender melhor que é uma Mulher Virtuosa!
Apoiadora- Os maridos se sentem respeitados e honrados, quando ela apóia ele sente-se mais disposto a enfrentar desafios. Efésios 5: 22 e 24.
Auxiliadora- Em Hebraico significa "Circundar". Ela circunda (cerca) o marido com apoio, exortação e conforto.
Coloque a disposição dele, todas as boas qualidades que há dentro de você para ajudá-lo a se tornar o homem que foi chamado a ser. Gênesis 2:18

Mulheres enfrentando com coragem as mudanças- Enfrenta mudanças drásticas com positividade e dignidade humana, e lança mão de todas as oportunidades de transformar o seu problema em possibilidade.
Administradora- É uma mulher que é capaz de ações mais distantes , é capaz de sair do âmbito imediato de uma cozinha,e segue a orientação do Espírito Santo, e investe sabiamente aquilo que foi economizado. Prov. 31: 13 a 27
Intercessora- alguém que discerne.A sua intercessão pelo marido e família lhe dá a certeza de que a mão de Deus está operando na vida deles.
A mulher que perdoa- O perdão é ato de vontade e não um sentimento. O amor não mantém um registro de erros I corint.13:5
Faça com que a sua vontade concorde com a vontade de Deus, e procure ser orientada pelo Espírito Santo . Salmos 103: 2-4
Não há limites para o número de vezes que devemos perdoar. Mateus 18:22
Devemos examinar a nós, e não o nosso conjugue Mateus 71:5 e Lucas 6:37
Antes de perdoar aos outros frequemente precisamos perdoar a nós. Jesus nos perdoou.

Mulher de fé- A fé é ativada pela voz, e crer no coração . Rom.10:10- Eu cri, por isso, é
que falei. II corint. 4:13
Visão de fé não significa ignorar as circunstâncias, mas sim vencê-las
Rm. 4:19-21

Mulher Virtuosa na Igreja- A nova mulher na nova Igreja, é a mulher Sem limites. Ela não é condenada mas redimida. Ao invés de viver em tormento ela vive em paz. No lugar
'da confusão , ela tem a orientação divina. Sua enfermidade foi substituída pelo saúde divina. Sua pobreza se transforma em prosperidade da parte de Deus. (palavras de Dra. Daisy Washburn Osborn).

Mulher de Oração- Temos o exemplo de Ana (Estéril)- Ela cansou de ser motivos de risos para Penina(Fértil). sua rival. Ambas mulheres de Elcana. Em I Sam.1:9-13, diz que a 1a coisa que Ana fez foi ORAR!
E quem Ora está subvertendo as coisas. Quem Ora está fazendo ruir as estruturas. Quem Ora está usando as armas mais secretas e invencíveis à disposição do ser humano.
Ana ora, quando ela ora a força fica do lado dela.Diz a palavra que Ana chora, ela se curva , ela geme, ela derrama o coração perante o Senhor. Ela faz voto ao Senhor ela se compromete, o que ela diz é Tudo ou Nada:OH Deus intervenha! E Deus intervém e lhe dá um filho.
E no cap. 18:1- Antes dela ter relação sexual com o marido da qual ela vem a ficar grávida diz a bíblia que: Ela se levanta, enxuga as lágrimas e já não era tão triste o seu semblante, ela muda a cara e reveste com outra fisionomia.
Antes de estar grávida no ventre,"ela está grávida na mente.. Disse ela "Seu filho que está prometido virá.
Pela oração e fé , pela nova atitude frente a vida , frente ao marido, frente a existência é que ela vence a luta desigual. E a palavra diz que Ana gerou um dos grandes profetas da Bíblia, O profeta Samuel.
Este é o poder da mulher que Ora.


Mulher Virtuosa

A sua mente é a mente de Cristo
É uma mulher que não olha para as circunstâncias que a cercam.
A força e a dignidade são os seus vestidos, e quanto ao dia de amanhã não tem preocupações.
Os sentimentos que ela sente, são os de Cristo.
A sua decisão, é a decisão de Cristo.
Trabalho para ela é uma coisa boa.
Ela tem prazer no que faz.
Ela olha com os olhos de Cristo.
Suas palavras, são as palavras de Cristo.
A conclusão que ela tira, é a de Cristo.
É ainda noite e já se levanta e dá mantimento à sua casa de madrugada e tarefa às suas servas, deixa o roteiro do dia preparado, Prov. 31:15
Não é complicada, atrapalhada,egoísta, complexada, traumatizada.
Ela não precisa ler revista de como segurar um homem, ou de como ser feliz.
Ela não precisa assistir uma novela , para ter um referencial no seu casamento, na
sua vida pessoal ou profissional.
Seu referencial é Jesus!

Mulher Virtuosa : é uma Mulher Ilimitada em Cristo Jesus!! Marc. 9:23


terça-feira, 6 de março de 2012

DAVI

DAVI, UM HOMEM SEGUNDO O CORAÇÃO DE DEUS

Igreja Evangélica Assembléia de Deus – Recife / PE- Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais -Pr. Presidente: Ailton José Alves

Fonte: http://www.radioboasnovas.net
INTRODUÇÃO

Muitos personagens bíblicos são referenciais para nossas vidas, por nos deixarem exemplos de fé, coragem, obediência, paciência, etc. Mas, só um foi considerado pelo próprio Deus “O homem segundo o meu coração” (I Sm 13.14): Davi, o maior rei de Israel.

Quem foi Davi? Um homem perfeito, sobrenatural, isento de pecados? Não! Davi era semelhante a qualquer um de nós, porém, aprendeu que a melhor maneira de alcançar o coração de Deus é o caminho da adoração, da humildade, da sinceridade e do arrependimento.
I – QUEM ERA DAVI?

Davi era um jovem comum à sua época:

  1. Descrição física: Não possuía uma aparência exuberante (I Sm 16.12).
  2. Sua Ocupação: Pastorear as ovelhas de seu pai. (I Sm 16.11).
  3. Sua Origem: Vivia num povoado pequeno, em Belém (I Sm 16.1).
  4. Suas Habilidades: Davi foi um excelente músico (I Sm 16.18).
II – QUAIS OS ASPECTOS DO CARÁTER DE DAVI?

Davi é um dos principais personagens da Bíblia. Sua história é registrada em mais de sessenta capítulos da Bíblia; cerca de 60 referências são feitas a ele no Novo Testamento, além de figurar na genealogia do Senhor Jesus; até hoje é lembrado como o maior rei de Israel e, por duas vezes na Bíblia é chamado de “homem segundo o coração de Deus” (I Sm 13.14; At 13.22). Por que tanta honra a um homem que, apesar de notável, teve sua vida pontuada por graves pecados?

1. Davi era um homem cujo coração era inclinado ao Senhor: Davi era um homem espiritual, cuja vida estava em harmonia com os anseios de Deus (I Sm 17.36).

2. Davi era um homem humilde: Além de conhecer suas limitações (Sl 131; 40.12,17), Davi aprendeu a atribuir as suas vitórias a Deus (I Sm 17.37; Sl 34.4-7; 40.5-10; 124).

3. Davi era um homem sincero: Apesar de ser chamado pelo próprio Deus “O homem segundo o meu coração” (I Sm 13.14), Davi não era um homem infalível. Cometeu dois graves pecados: adultério e cumplicidade na morte de Urias (II Sm 11.1-22). Mas, quando repreendido pelo Senhor, através do profeta Natã, Davi confessa e arrepende-se de seus pecados (II Sm 12.13; Sl 51).

Os aspectos do caráter de Davi podem ser visto em sua vida, mesmo depois que foi ungido rei de Israel:
1. Não deixou de lado sua vida de adoração, manteve sua devoção diária ao Senhor, seu “culto doméstico” nos campos de Belém, sendo assim citado por um servo de Saul como o músico que poderia acalmar o espírito perturbado do rei (I Sm 16.14-18).
2. Continuou com suas tarefas de pastor, mesmo sendo o ungido do Senhor (I Sm 16.19). Que belo exemplo a ser seguido por nós, o exemplo de um pastor que se portava como um rei, porque um dia seria rei com virtudes de um pastor.
3. Mesmo sendo promovido a músico do rei, continuava submisso ao seu pai, e de seu rebanho cuidava com fidelidade (I Sm 17.15).
4. Ele respeitava Saul, a quem substituiría, porque tinha consciência da vontade soberana de Deus em sua vida, e do controle que Ele exerce sobre todas as coisas (I Sm 17.58; 18.5; 19.1-7).
III – DAVI, EXEMPLO DE UM ADORADOR

Ao estudarmos a biografia deste servo de Deus, observamos que Davi não foi apenas um pastor que se tornou em um guerreiro, e, posteriormente, no rei de Israel. Ele foi também um grande músico: compôs mais de 70 salmos, tocava muito bem a sua harpa e demonstrou habilidade na organização do cântico ao assumir o reino de Israel. Vejamos porque ele é um exemplo de adorador:
1. Davi foi conhecido como músico: Quando Saul estava sendo atormentado por um espírito mau, ele disse: Buscai-me, pois, um homem que toque bem, e trazei-mo”. Um dos seus servos lhe respondeu: “… tenho visto um filho de Jessé, que sabe tocar …” (I Sm 16.17,18). Esta expressão revela que o servo do rei conhecia a Davi, não apenas como um pastor de ovelhas, mas também como músico.
2. Davi foi obediente quando convidado para tocar a sua harpa diante do rei: Como ele já havia sido ungido rei de Israel, poderia negar-se a ser músico do rei. No entanto, ele não era apenas um músico, ele era um músico obediente: veio, trouxe presentes a Saul (I Sm 16.20) e tocou a sua harpa diante dele (I Sm 16.23).
3. Quando Davi dedilhava a sua harpa, o espírito mau se retirava de Saul: Qual será a razão pela qual aquele espírito mau se retirava? Com certeza, as músicas que Davi tocava, e com certeza, cantava, não eram músicas mundanas e superficiais, atendendo aos caprichos e gostos humanos. Eram músicas sacras e inspiradas por Deus. Muitas estão a nosso dispor, no livro dos Salmos.

IV- DAVI, UM HOMEM QUE APRENDEU A LIDAR COM OS SENTIMENTOS HUMANOS
Como qualquer homem, Davi enfrentou momentos de crises, tais como: ódio, desejo de vingança etc. Os capítulos 24, 25 e 26 de I Samuel nos revelam fatos dignos de serem mencionados, quando estudamos sobre a vida de Davi. Eles nos oferecem lições importantes para aqueles que desejam melhorar em seu relacionamento com Deus e, conseqüentemente, com seu próximo.
1. Lidando com a vingança (I Sm 24.1-22): Davi teve a chance de matar Saul. Ele estava com seus homens nas cavernas de En-Gedi (fonte dos cabritos), quando Saul, vindo cansado de uma batalha, entrou na caverna onde Davi estava escondido com seus homens. Seria a oportunidade de por fim àquela perseguição? Foi o que seus guerreiros lhe disseram (v.4), mas não foi o que fez Davi. Ele deu a Saul provas de sua fidelidade, cortando apenas a orla de seu manto, mas preservando sua vida (vv.4-11). Davi tinha confiança em Deus, e não se deixou vencer pela tentação da vingança (Rm 12.18-21), além de ensinar essa lição para seus liderados (v.7).
2. Lidando com a ira (I Sm 25.2-13): A indiferença e a grosseria de Nabal fez com que Davi perdesse, por um período de tempo, a paciência que tanto lhe era peculiar. Isto nos ensina a termos cuidado com os sentimentos negativos que surgem em nossos corações, para não os alimentarmos. O mesmo Davi que se porta pacientemente com Saul, que sabe esperar no Senhor, que se recusa a ferir o ungido do Senhor, agora explode em raiva, perde o controle. Devemos ter cuidado (Pv 29.11).
3. Lidando com a misericórdia (I Sm 25.18-35): Davi foi abordado por Abigail, que com sabedoria o convenceu a não levar adiante seu plano de vingança. Davi por sua vez, foi humilde ao aceitar conselhos de uma mulher que jamais havia visto, uma desconhecida até então. Mas, o coração de um homem segundo o coração de Deus é inclinado ao perdão, à tolerância, e não sente dificuldade em voltar atrás em decisões que não agradam a Deus.
4. Lidando com a longanimidade (I Sm 26.1-25): Era a segunda vez que Davi tinha a oportunidade de matar Saul, mas, outra vez, poupou a sua vida. Davi nos ensina que não é difícil ser vingativo, maldoso e carnal. O grande desafio é ser longânimo, é perdoar, é produzir o Fruto do Espírito, pois as obras da carne surgem sem que precisemos plantá-las (Mc 7.21).
CONCLUSÃO

Sem dúvidas, Davi foi um dos maiores homens da Bíblia. São muitas as virtudes e qualidades que a Bíblia descreve acerca deste homem: humildade, sinceridade, e, acima de tudo, um coração voltado para Deus. Até mesmo quando este homem fracassou, ensinou-nos lições importantes: arrependimento sincero, confissão, e uma fé inabalável no perdão de Deus.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Amor maior,Amor de Deus...


      Deus é a fonte de vida, sabedoria e felicidade. Veja as belas e maravilhosas obras da natureza.
Observe o modo admirável com que ela se adapta às necessidades do ser humano e de todos os demais serem viventes. O sol, a chuva, as colinas, os mares, as planícies, tudo nos fala do amor dAquele que tudo criou.
É Deus quem atende às necessidades diárias de todas as suas criaturas, como o salmista expressa em palavras tão belas: "Tudo o que vive olha para Ele com esperança, e Ele dá alimento a todos no tempo certo. Ele abre a mão e, com a sua boa vontade, satisfaz a todos os seres vivos".
Deus criou o ser humano perfeitamente santo e feliz; a terra era linda ao sair das mãos do Criador, e não apresentava qualquer vestígio de decadência ou sombra de maldição.
Foi a desobediência à Lei de Deus que trouxe sofrimento e morte.
Apesar dos sofrimentos provocados pelo pecado, o amor de Deus ainda está presente. As dificuldades que tornam a vida cheia de trabalhos e ansiedade foram permitidas por Deus para o bem das pessoas.
Essas dificuldades fazem parte do plano de Deus, como um aprendizado necessário que ajuda tirar o ser humano da ruína e degradação que o pecado provocou.
O amor de Deus é o assunto de muito debate entre os cristãos. Questões sobre se Deus ama todo o mundo e deseja salvar todos sem exceção são respondidas de forma muito diferente.
Essas questões são importantes. Elas têm a ver com predestinação, o amor eterno de Deus por alguns, e com a morte de Cristo, a grande revelação do amor de Deus.
Deus deu seu Filho não somente para que vivesse entre os homens e tomasse sobre si os pecados deles, e morresse em sacrifício por eles; o Filho foi dado por Deus à raça caída.
Cristo deveria identificar-se com os interesses e necessidades da humanidade. Ele, que era Deus, ligou-se aos filhos dos homens por laços que jamais se romperão.
Ele é o nosso sacrifício, nosso advogado, nosso irmão, apresentando nossa forma humana diante do trono do Pai, unido pelos séculos dos séculos à raça que Ele o Filho do homem redimiu. E tudo isso para que o ser humano fosse erguido da ruína e degradação do pecado, pudesse refletir o amor de Deus e partisse da alegria da santidade.
O preço pago por nossa redenção, o infinito sacrifício de nosso Pai celestial em entregar seu Filho para morrer por nós, deveria nos inspirar idéias elevadas acerca do que nos podemos tornar por meio de Cristo.
O amor de Deus, acima de tudo, é o seu amor por si mesmo, sua glória, e sua santidade. 1 João 4:16 indica isso quando nos diz que Deus é amor. Em si mesmo como Pai, Filho e Espírito Santo, Deus é a síntese de todo amor.
Para ser um Deus de amor, ele não precisa de nós, nem é a sua glória como o Deus de amor incompleta sem nós.
De eternidade a eternidade ele é amor, em e de si mesmo, na Trindade.
O amor do nosso Deus:
1. Não é influenciado - O amor de Deus é livre, espontâneo.
2. É eterno - Por Deus ser um Ser eterno, Seu amor também é eterno. Isso nos conforta,pois não tendo começo, não terá fim.
3. É soberano - Por Deus ser um Ser soberano seu amor também o é. Na verdade Deus não tem obrigação para com ninguém.
4. É infinito - Deus é infinito na sua natureza e só pode refletir tal atributo em suas outras qualidades. As Escrituras Sagradas, dadas pela inspiração, têm dificuldade, pela limitação da linguagem por escrito, ao expressar todo o amor de Deus. É necessário fé para que se possa conhecer Deus, pois, as suas qualidades são superiores ao entendimento finito do homem.
5. É imutável - Por Deus ser imutável; seus atributos também o são. O exemplo da imutabilidade do seu amor é visto por nada poder separá-LO dos seus amados.
6. É Santo - Deus é Santo na sua pessoa, em todas as suas obras e por necessidade isso inclui o seu amor. O amor de Deus não é subordinado à paixão ou qualquer outro sentimento, mas pela Santidade. A Bíblia diz primeiramente que Deus é Luz e após diz que Deus também é amor. A santidade é quem faz o amor de Deus temível. Por sua Santidade o crente é corrigido e o ímpio é castigado.
7. É gracioso - O amor pede uma expressão, e, a sua expressão é favor ou graça. Essa expressão da graça vê-se quando entendemos o alvo do amor e o resultado de tal amor. A maior expressão do amor de Deus é Cristo. Por ter dado Cristo sabemos que Ele não deixará faltar algo para os Seus.
 

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

O INFINITO AMOR DE DEUS.



Sendo nós ainda pecadores, Deus prova o seu amor por nós, Jesus Cristo, a maior expressão do amor de Deus pela humanidade, porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3.16). Portanto, aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor, e o seu amor é à base da aliança, o fundamento da sua fidelidade e a razão da eleição do seu povo.
Tentamos buscar nos dicionários bíblicos algum significado para expressar com palavras, o amor, mas verdadeiramente o amor é inexprimível, não há palavras compatíveis para designar a profundidade e grandeza do mais sublime dos sentimentos, o amor. Mas Deus, na sua infinita sabedoria e misericórdia, nos deixou o maior exemplo do seu imensurável amor, oferecendo o seu próprio filho em sacrifício e oferta viva no altar para resgatar o homem da maldição do pecado e da morte.   
E para expressar o extraordinário amor de Deus, buscamos na sua palavra algumas referências bíblicas para meditação e conforto espiritual.   
Jesus Cristo é a maior expressão e prova do amor de Deus pela humanidade, porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3.16). Portanto, aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor, e o seu amor é à base da aliança, o fundamento da sua fidelidade e a razão da eleição do seu povo.  
            E no capítulo 2, versículo 9 da primeira carta universal do Apóstolo Pedro, o Senhor declara o seu amor de uma forma especial, por aqueles que o amam e buscam fazer a sua vontade, observem: Vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.
O amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado, é a mais alta qualidade da vida cristã, norteando todas as relações de amor a Deus e ao próximo (Mateus 22.37 a 39). Esse amor é dotado de compromisso com Altíssimo e confiança absoluta nele, diluindo amor aos inimigos e renúncia em favor dos necessitados. O amor é o sentimento de apreciação ao próximo, acompanhado do desejo de lhe fazer a caridade.
Na carta aos Romanos 5.6-8, a palavra revela e exemplifica a essência do verdadeiro amor; o amor do Senhor Deus pelo homem, ainda que este se encontrava morto no pecado pela queda no Paraíso do Éden. Afirma o Senhor que por algum bom, por algum justo, pode ser que alguém ouse a morrer, Mas Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.
No livro de Isaias 49.14, assim disse o Senhor Deus: Pode uma mulher esquecer-se do seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas, ainda que esta se esquecesse, eu, todavia, não me esquecerei de ti.
O Senhor toma como fundamento o amor materno, que sem dúvida é o mais profundo amor entre os seres humanos para exemplificar a grandeza do seu amor pelo homem, ainda assim, não há parâmetro para se comparar a dimensão do seu amor que é ilimitado e interminável.  Ele nos dá a certeza e segurança, ainda que, esse amor materno vier a falir, Ele, no entanto, não nos deixará desamparados. Porque Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.
E no capítulo 113 do livro dos Salmos, a sua palavra é fascinante com tamanha demonstração de amor apontado para os mais humildes dos homens, o qual expressa: Quem é como o Senhor, nosso Deus, que habita nas alturas; que do pó levanta o pequeno e, do monturo, ergue o necessitado, para fazê-lo assentar com os príncipes do seu povo; e faz com que a mulher estéril habite em família e seja alegre mãe de filhos? Louvai ao Senhor.
Esse é o Deus vivo a quem servimos, confiamos e nos entregamos inteiramente. A sua palavra é fiel e verdadeira, e digna de toda aceitação, porque se Deus é por nós, quem será contra nós?
Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? 
Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor (Carta aos Romanos 8.35-39).
Portanto amados, não deixe que o seu amor por Deus se enfraqueça, porque o amor de Deus dura para sempre, e aquele que ama a Deus, não anda na prática do pecado, porem, qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado. 
Este é o amor de Deus: Que guardemos os seus mandamentos; porque os seus mandamentos não são pesados. Porque Deus é bom, par com os limpos de coração.
A palavra de Deus relata que as suas misericórdias são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade (Lamentações de Jeremias 3,22, 23).   
E na primeira carta de Pedro 4.20, a palavra do Senhor nos alerta para que a nossa fé não seja vã, e descreve: Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. 
Deus é tardio para irar e a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida; o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã (Salmos 30.5).
 
 
Texto extraido do portal evangelico,"cristo é a saída".


domingo, 17 de abril de 2011

BUSCANDO A DEUS





     Tem o homem condições de buscar a Deus diretamente neste mundo? A Bíblia revela que o homem caiu da graça de Deus, quando Adão e Eva comeram do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Os dois foram expulsos do jardim do Éden e da presença de Deus, e o caminho da árvore da vida foi para sempre fechado: “Então disse Jeová deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, pois, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente; Jeová deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden, para lavrar a terra de que fora tomado. E havendo lançado fora o homem, pôs querubins do oriente do Jardim do Éden, e uma espada inflamada que andava ao redor, para guardar o caminho da árvore da vida” (Gn. 3:22-24).
         Mas a pergunta permanece: — Pode o homem livremente buscar a Deus por sua vontade? — Parece que não, pois a Bíblia diz: “Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou. Na esperança de que a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus” (Rm. 8:20-21). O homem está debaixo de um poder maligno, e, portanto, impedido de buscar a Deus: “Noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência” (Ef. 2:2). Se toda a criação está submetida a um poder maligno, não é Deus que está no comando, mas o maligno; e Deus não está neste mundo.
         Nós insistimos na pergunta: — Pode o homem buscar a Deus, ou não pode? — Não pode, pois o homem está submetido a Satanás e tem de ser libertado. Jesus nomeou o apóstolo Paulo, e o enviou aos gentios, para pregar, dizendo: “Para lhes abrires os olhos, e das trevas os converteres à luz, e do poder de Satanás a Deus; afim de que recebam a remissão dos pecados, e sorte entre os santificados pela fé em mim (Jesus)” (At. 26:18).
         Mas os homens, em todas as nações, e em todas as épocas da história, insistem em buscar a Deus. Achá-lo-ão? Encontrá-lo-ão? Receberão do verdadeiro Deus alguma coisa? É impossível aos homens buscarem a Deus, pois estão todos condenados. Condenados às intempéries, tufões, tornados, ciclones destruidores; condenados a morrer de câncer, peste bubônica, peste negra, aids, enfartes, úlceras, gripes, doenças venéreas, reumatismo, artrose, bursite, sífilis, mongolismo, e outras, como a loucura, paranóias, psicoses, esquizofrenias, e centenas de outras doenças do corpo e da mente. Superabundam hospitais e farmácias. Os homens estão condenados ao sofrimento pela fome, pois 90% da população mundial é pobre; a humanidade está condenada ao tráfico de drogas; cocaína, maconha, cigarros, bebidas. Os aflitos pais levam os filhos ainda tenros à escola, e eles voltam viciados. Quantas tragédias nos lares por causa da droga. Estamos condenados às guerras destruidoras de almas, o monstruoso terrorismo, condenados a assaltos, roubos, latrocínios, escravidão, homicídios; existe tráfico de crianças, tráfico de mulheres, tráfico de órgãos, tráfico de influência. Se Deus estivesse ao alcance do homem, certamente o caos seria menor. E o fim desta infeliz jornada do ser humano é a morte inexorável, à qual está condenado.
         Os homens não podem buscar a Deus diretamente porque estão mortos, e Deus não é Deus de mortos. O profeta Isaías declara que o homem é mortal (Is. 51:12). Davi declara o mesmo no Salmo 8:4 “Que é o homem mortal para que te lembres dele?”. Alguém dirá: O homem é mortal, mas enquanto vive, não está morto! Mas Jesus disse a um discípulo que queria primeiro sepultar seu pai: “Segue-me, e deixa os mortos sepultar os seus mortos” (Mt. 8:22). Ora, aqui Jesus esclarece que o que sepulta o defunto também é defunto. Temos mais uma explicação. Quando Jeová condenou Adão disse-lhe: “No suor de teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó, e em pó te tornarás” (Gn. 3:19). Quando Deus disse: “És pó, e em pó te tornarás”, estava dizendo que não havia diferença entre o homem que vira pó, e o homem antes de virar pó, pois antes de virar pó o homem já era pó. Foi por isso que Jesus falou: “Deixa os mortos sepultar os seus mortos”. O homem sabe que vai virar pó, mas não conhece o pó que é, por isso é vaidoso, soberbo, egoísta, ambicioso. Acumula riquezas para outros, pois sendo pó, tornará ao pó.
         — Pode ou não pode? — Não pode, pois o homem é escravo, e escravo não tem liberdade para escolher. Tem de ser comprado. O apóstolo Pedro é quem esclarece o assunto: “Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes de vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” (I Pd. 1:18-19). Jesus compra e liberta. Ele mesmo disse: “Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo. 8:36). E o homem, libertado por Cristo, tem o poder de buscar a Deus, e se tornar filho de Deus. Foi Jesus que declarou essa verdade: “Mas, a todos os que o receberam, deu-lhes o poder para serem feitos filhos de Deus; aos quais crêem no seu nome”
(Jo. 1:12). 
         Continuamos perguntando: — Pode o homem, de algum modo, buscar a Deus, e achá-lo? — Não pode, pois está escrito: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm. 3:23). E foi introduzido o pecado na natureza do homem desde o Jardim do Éden. “Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” (Rm. 5:12). O pecado trouxe junto a maldição da morte. Para sair da morte, o homem tem de sair primeiro do pecado, que é a causa. E isso é impossível, logo, o homem não pode buscar a Deus.
         Mas como Deus é amor, Deus, por amor, buscou o homem. Vejamos: O homem está impedido de buscar a Deus, mas Deus busca o homem. Leiamos: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (Jo. 3:16-17). “O qual se deu a si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus nosso Pai” (Gl. 1:4). E Pedro completa o pensamento, dizendo: “Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados” (I Pd. 2:24). O apóstolo João assim se refere sobre essa doença maligna do pecado: “Bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado. Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu” (I Jo. 3:5-6).
         Se o homem continua pecando depois do batismo, o homem velho não foi sepultado com Cristo (Rm. 6:3-6). E o corpo do pecado não foi desfeito. E também o homem não nasceu de novo, conforme Jo. 3:3-6. Também não é nova criatura, pois a natureza do velho Adão permanece (II Co. 5:17). E quando esses tais chegarem diante de Cristo, na sua volta, dirão: “Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade” (Mt. 7:22-23).

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira