SITE DE COMPRAS

Loading...

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Amor maior,Amor de Deus...


      Deus é a fonte de vida, sabedoria e felicidade. Veja as belas e maravilhosas obras da natureza.
Observe o modo admirável com que ela se adapta às necessidades do ser humano e de todos os demais serem viventes. O sol, a chuva, as colinas, os mares, as planícies, tudo nos fala do amor dAquele que tudo criou.
É Deus quem atende às necessidades diárias de todas as suas criaturas, como o salmista expressa em palavras tão belas: "Tudo o que vive olha para Ele com esperança, e Ele dá alimento a todos no tempo certo. Ele abre a mão e, com a sua boa vontade, satisfaz a todos os seres vivos".
Deus criou o ser humano perfeitamente santo e feliz; a terra era linda ao sair das mãos do Criador, e não apresentava qualquer vestígio de decadência ou sombra de maldição.
Foi a desobediência à Lei de Deus que trouxe sofrimento e morte.
Apesar dos sofrimentos provocados pelo pecado, o amor de Deus ainda está presente. As dificuldades que tornam a vida cheia de trabalhos e ansiedade foram permitidas por Deus para o bem das pessoas.
Essas dificuldades fazem parte do plano de Deus, como um aprendizado necessário que ajuda tirar o ser humano da ruína e degradação que o pecado provocou.
O amor de Deus é o assunto de muito debate entre os cristãos. Questões sobre se Deus ama todo o mundo e deseja salvar todos sem exceção são respondidas de forma muito diferente.
Essas questões são importantes. Elas têm a ver com predestinação, o amor eterno de Deus por alguns, e com a morte de Cristo, a grande revelação do amor de Deus.
Deus deu seu Filho não somente para que vivesse entre os homens e tomasse sobre si os pecados deles, e morresse em sacrifício por eles; o Filho foi dado por Deus à raça caída.
Cristo deveria identificar-se com os interesses e necessidades da humanidade. Ele, que era Deus, ligou-se aos filhos dos homens por laços que jamais se romperão.
Ele é o nosso sacrifício, nosso advogado, nosso irmão, apresentando nossa forma humana diante do trono do Pai, unido pelos séculos dos séculos à raça que Ele o Filho do homem redimiu. E tudo isso para que o ser humano fosse erguido da ruína e degradação do pecado, pudesse refletir o amor de Deus e partisse da alegria da santidade.
O preço pago por nossa redenção, o infinito sacrifício de nosso Pai celestial em entregar seu Filho para morrer por nós, deveria nos inspirar idéias elevadas acerca do que nos podemos tornar por meio de Cristo.
O amor de Deus, acima de tudo, é o seu amor por si mesmo, sua glória, e sua santidade. 1 João 4:16 indica isso quando nos diz que Deus é amor. Em si mesmo como Pai, Filho e Espírito Santo, Deus é a síntese de todo amor.
Para ser um Deus de amor, ele não precisa de nós, nem é a sua glória como o Deus de amor incompleta sem nós.
De eternidade a eternidade ele é amor, em e de si mesmo, na Trindade.
O amor do nosso Deus:
1. Não é influenciado - O amor de Deus é livre, espontâneo.
2. É eterno - Por Deus ser um Ser eterno, Seu amor também é eterno. Isso nos conforta,pois não tendo começo, não terá fim.
3. É soberano - Por Deus ser um Ser soberano seu amor também o é. Na verdade Deus não tem obrigação para com ninguém.
4. É infinito - Deus é infinito na sua natureza e só pode refletir tal atributo em suas outras qualidades. As Escrituras Sagradas, dadas pela inspiração, têm dificuldade, pela limitação da linguagem por escrito, ao expressar todo o amor de Deus. É necessário fé para que se possa conhecer Deus, pois, as suas qualidades são superiores ao entendimento finito do homem.
5. É imutável - Por Deus ser imutável; seus atributos também o são. O exemplo da imutabilidade do seu amor é visto por nada poder separá-LO dos seus amados.
6. É Santo - Deus é Santo na sua pessoa, em todas as suas obras e por necessidade isso inclui o seu amor. O amor de Deus não é subordinado à paixão ou qualquer outro sentimento, mas pela Santidade. A Bíblia diz primeiramente que Deus é Luz e após diz que Deus também é amor. A santidade é quem faz o amor de Deus temível. Por sua Santidade o crente é corrigido e o ímpio é castigado.
7. É gracioso - O amor pede uma expressão, e, a sua expressão é favor ou graça. Essa expressão da graça vê-se quando entendemos o alvo do amor e o resultado de tal amor. A maior expressão do amor de Deus é Cristo. Por ter dado Cristo sabemos que Ele não deixará faltar algo para os Seus.
 

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

O INFINITO AMOR DE DEUS.



Sendo nós ainda pecadores, Deus prova o seu amor por nós, Jesus Cristo, a maior expressão do amor de Deus pela humanidade, porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3.16). Portanto, aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor, e o seu amor é à base da aliança, o fundamento da sua fidelidade e a razão da eleição do seu povo.
Tentamos buscar nos dicionários bíblicos algum significado para expressar com palavras, o amor, mas verdadeiramente o amor é inexprimível, não há palavras compatíveis para designar a profundidade e grandeza do mais sublime dos sentimentos, o amor. Mas Deus, na sua infinita sabedoria e misericórdia, nos deixou o maior exemplo do seu imensurável amor, oferecendo o seu próprio filho em sacrifício e oferta viva no altar para resgatar o homem da maldição do pecado e da morte.   
E para expressar o extraordinário amor de Deus, buscamos na sua palavra algumas referências bíblicas para meditação e conforto espiritual.   
Jesus Cristo é a maior expressão e prova do amor de Deus pela humanidade, porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3.16). Portanto, aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor, e o seu amor é à base da aliança, o fundamento da sua fidelidade e a razão da eleição do seu povo.  
            E no capítulo 2, versículo 9 da primeira carta universal do Apóstolo Pedro, o Senhor declara o seu amor de uma forma especial, por aqueles que o amam e buscam fazer a sua vontade, observem: Vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz.
O amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado, é a mais alta qualidade da vida cristã, norteando todas as relações de amor a Deus e ao próximo (Mateus 22.37 a 39). Esse amor é dotado de compromisso com Altíssimo e confiança absoluta nele, diluindo amor aos inimigos e renúncia em favor dos necessitados. O amor é o sentimento de apreciação ao próximo, acompanhado do desejo de lhe fazer a caridade.
Na carta aos Romanos 5.6-8, a palavra revela e exemplifica a essência do verdadeiro amor; o amor do Senhor Deus pelo homem, ainda que este se encontrava morto no pecado pela queda no Paraíso do Éden. Afirma o Senhor que por algum bom, por algum justo, pode ser que alguém ouse a morrer, Mas Deus prova o seu amor para conosco em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.
No livro de Isaias 49.14, assim disse o Senhor Deus: Pode uma mulher esquecer-se do seu filho que cria, que não se compadeça dele, do filho do seu ventre? Mas, ainda que esta se esquecesse, eu, todavia, não me esquecerei de ti.
O Senhor toma como fundamento o amor materno, que sem dúvida é o mais profundo amor entre os seres humanos para exemplificar a grandeza do seu amor pelo homem, ainda assim, não há parâmetro para se comparar a dimensão do seu amor que é ilimitado e interminável.  Ele nos dá a certeza e segurança, ainda que, esse amor materno vier a falir, Ele, no entanto, não nos deixará desamparados. Porque Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente na angústia.
E no capítulo 113 do livro dos Salmos, a sua palavra é fascinante com tamanha demonstração de amor apontado para os mais humildes dos homens, o qual expressa: Quem é como o Senhor, nosso Deus, que habita nas alturas; que do pó levanta o pequeno e, do monturo, ergue o necessitado, para fazê-lo assentar com os príncipes do seu povo; e faz com que a mulher estéril habite em família e seja alegre mãe de filhos? Louvai ao Senhor.
Esse é o Deus vivo a quem servimos, confiamos e nos entregamos inteiramente. A sua palavra é fiel e verdadeira, e digna de toda aceitação, porque se Deus é por nós, quem será contra nós?
Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? 
Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor (Carta aos Romanos 8.35-39).
Portanto amados, não deixe que o seu amor por Deus se enfraqueça, porque o amor de Deus dura para sempre, e aquele que ama a Deus, não anda na prática do pecado, porem, qualquer que guarda a sua palavra, o amor de Deus está nele verdadeiramente aperfeiçoado. 
Este é o amor de Deus: Que guardemos os seus mandamentos; porque os seus mandamentos não são pesados. Porque Deus é bom, par com os limpos de coração.
A palavra de Deus relata que as suas misericórdias são a causa de não sermos consumidos, porque as suas misericórdias não têm fim; renovam-se cada manhã. Grande é a tua fidelidade (Lamentações de Jeremias 3,22, 23).   
E na primeira carta de Pedro 4.20, a palavra do Senhor nos alerta para que a nossa fé não seja vã, e descreve: Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê. 
Deus é tardio para irar e a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida; o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã (Salmos 30.5).
 
 
Texto extraido do portal evangelico,"cristo é a saída".


domingo, 17 de abril de 2011

BUSCANDO A DEUS





     Tem o homem condições de buscar a Deus diretamente neste mundo? A Bíblia revela que o homem caiu da graça de Deus, quando Adão e Eva comeram do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal. Os dois foram expulsos do jardim do Éden e da presença de Deus, e o caminho da árvore da vida foi para sempre fechado: “Então disse Jeová deus: Eis que o homem é como um de nós, sabendo o bem e o mal; ora, pois, para que não estenda a sua mão, e tome também da árvore da vida, e coma e viva eternamente; Jeová deus, pois, o lançou fora do jardim do Éden, para lavrar a terra de que fora tomado. E havendo lançado fora o homem, pôs querubins do oriente do Jardim do Éden, e uma espada inflamada que andava ao redor, para guardar o caminho da árvore da vida” (Gn. 3:22-24).
         Mas a pergunta permanece: — Pode o homem livremente buscar a Deus por sua vontade? — Parece que não, pois a Bíblia diz: “Porque a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua vontade, mas por causa do que a sujeitou. Na esperança de que a mesma criatura será libertada da servidão da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus” (Rm. 8:20-21). O homem está debaixo de um poder maligno, e, portanto, impedido de buscar a Deus: “Noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência” (Ef. 2:2). Se toda a criação está submetida a um poder maligno, não é Deus que está no comando, mas o maligno; e Deus não está neste mundo.
         Nós insistimos na pergunta: — Pode o homem buscar a Deus, ou não pode? — Não pode, pois o homem está submetido a Satanás e tem de ser libertado. Jesus nomeou o apóstolo Paulo, e o enviou aos gentios, para pregar, dizendo: “Para lhes abrires os olhos, e das trevas os converteres à luz, e do poder de Satanás a Deus; afim de que recebam a remissão dos pecados, e sorte entre os santificados pela fé em mim (Jesus)” (At. 26:18).
         Mas os homens, em todas as nações, e em todas as épocas da história, insistem em buscar a Deus. Achá-lo-ão? Encontrá-lo-ão? Receberão do verdadeiro Deus alguma coisa? É impossível aos homens buscarem a Deus, pois estão todos condenados. Condenados às intempéries, tufões, tornados, ciclones destruidores; condenados a morrer de câncer, peste bubônica, peste negra, aids, enfartes, úlceras, gripes, doenças venéreas, reumatismo, artrose, bursite, sífilis, mongolismo, e outras, como a loucura, paranóias, psicoses, esquizofrenias, e centenas de outras doenças do corpo e da mente. Superabundam hospitais e farmácias. Os homens estão condenados ao sofrimento pela fome, pois 90% da população mundial é pobre; a humanidade está condenada ao tráfico de drogas; cocaína, maconha, cigarros, bebidas. Os aflitos pais levam os filhos ainda tenros à escola, e eles voltam viciados. Quantas tragédias nos lares por causa da droga. Estamos condenados às guerras destruidoras de almas, o monstruoso terrorismo, condenados a assaltos, roubos, latrocínios, escravidão, homicídios; existe tráfico de crianças, tráfico de mulheres, tráfico de órgãos, tráfico de influência. Se Deus estivesse ao alcance do homem, certamente o caos seria menor. E o fim desta infeliz jornada do ser humano é a morte inexorável, à qual está condenado.
         Os homens não podem buscar a Deus diretamente porque estão mortos, e Deus não é Deus de mortos. O profeta Isaías declara que o homem é mortal (Is. 51:12). Davi declara o mesmo no Salmo 8:4 “Que é o homem mortal para que te lembres dele?”. Alguém dirá: O homem é mortal, mas enquanto vive, não está morto! Mas Jesus disse a um discípulo que queria primeiro sepultar seu pai: “Segue-me, e deixa os mortos sepultar os seus mortos” (Mt. 8:22). Ora, aqui Jesus esclarece que o que sepulta o defunto também é defunto. Temos mais uma explicação. Quando Jeová condenou Adão disse-lhe: “No suor de teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó, e em pó te tornarás” (Gn. 3:19). Quando Deus disse: “És pó, e em pó te tornarás”, estava dizendo que não havia diferença entre o homem que vira pó, e o homem antes de virar pó, pois antes de virar pó o homem já era pó. Foi por isso que Jesus falou: “Deixa os mortos sepultar os seus mortos”. O homem sabe que vai virar pó, mas não conhece o pó que é, por isso é vaidoso, soberbo, egoísta, ambicioso. Acumula riquezas para outros, pois sendo pó, tornará ao pó.
         — Pode ou não pode? — Não pode, pois o homem é escravo, e escravo não tem liberdade para escolher. Tem de ser comprado. O apóstolo Pedro é quem esclarece o assunto: “Sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver que por tradição recebestes de vossos pais, mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” (I Pd. 1:18-19). Jesus compra e liberta. Ele mesmo disse: “Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres” (Jo. 8:36). E o homem, libertado por Cristo, tem o poder de buscar a Deus, e se tornar filho de Deus. Foi Jesus que declarou essa verdade: “Mas, a todos os que o receberam, deu-lhes o poder para serem feitos filhos de Deus; aos quais crêem no seu nome”
(Jo. 1:12). 
         Continuamos perguntando: — Pode o homem, de algum modo, buscar a Deus, e achá-lo? — Não pode, pois está escrito: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus” (Rm. 3:23). E foi introduzido o pecado na natureza do homem desde o Jardim do Éden. “Pelo que, como por um homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte, assim também a morte passou a todos os homens por isso que todos pecaram” (Rm. 5:12). O pecado trouxe junto a maldição da morte. Para sair da morte, o homem tem de sair primeiro do pecado, que é a causa. E isso é impossível, logo, o homem não pode buscar a Deus.
         Mas como Deus é amor, Deus, por amor, buscou o homem. Vejamos: O homem está impedido de buscar a Deus, mas Deus busca o homem. Leiamos: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele” (Jo. 3:16-17). “O qual se deu a si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de Deus nosso Pai” (Gl. 1:4). E Pedro completa o pensamento, dizendo: “Levando ele mesmo em seu corpo os nossos pecados sobre o madeiro, para que, mortos para os pecados, pudéssemos viver para a justiça; e pelas suas feridas fostes sarados” (I Pd. 2:24). O apóstolo João assim se refere sobre essa doença maligna do pecado: “Bem sabeis que ele se manifestou para tirar os nossos pecados; e nele não há pecado. Qualquer que permanece nele não peca; qualquer que peca não o viu nem o conheceu” (I Jo. 3:5-6).
         Se o homem continua pecando depois do batismo, o homem velho não foi sepultado com Cristo (Rm. 6:3-6). E o corpo do pecado não foi desfeito. E também o homem não nasceu de novo, conforme Jo. 3:3-6. Também não é nova criatura, pois a natureza do velho Adão permanece (II Co. 5:17). E quando esses tais chegarem diante de Cristo, na sua volta, dirão: “Senhor, não profetizamos nós em teu nome? E em teu nome não expulsamos demônios? E em teu nome não fizemos muitas maravilhas? E então lhes direi abertamente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniqüidade” (Mt. 7:22-23).

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

sábado, 8 de janeiro de 2011

Devemos Agradecer A Deus

Devemos agradecer o dia a dia
E a saúde e paz com alegria
Que Deus nos dá diariamente
E pelo ar puro que respiramos
As boas amizades de quem gostamos
E tudo o mais que nos deixam contentes

Como a família em união na santa paz
Ao apoiar tudo de bom que se faz
E em união agradecer os mantimentos
Devemos agradecer também pelos filhos
Que graças a Deus não estão fora dos trilhos
E tentam seguir os Dez Mandamentos

Devemos agradecer pelo nosso dom
Todos dados por Deus e é muito bom
E todos nós temos e só depende de descobrir
Devemos agradecer ao Lar que temos
E tudo que se consegue e o que queremos
E os bons caminhos que Deus nos mostra para seguir

Deus é o Pai, o Filho e o Espírito Santo
E o inimigo guia a maldade e só causa espanto
Deus nos protege todos os dias deste inimigo
Abençoando e iluminando os nossos caminhos
Que com as maldades estão cheios de espinhos
E muita gente não o tem nem como amigo

E ao mesmo em tempo que devemos agradecer
Devemos pedir ajuda a ele para o povo se converter
Para que assim tenhamos um mundo melhor
Apesar de ser difícil pelas maldades que está incrível
Sei que para Deus nada é difícil nem impossível
Todos sabem que Deus é o nosso Pai e é o maior

Está junto de nos nas tristezas ou nas alegrias
Todas as noites as tardes e todos os dias
E sempre nos livrando dos perigos
Por tudo isto devemos agradecer e rezar
Para nossa vida e dos outros melhorar
E sempre vendo em todos uns irmãos ou amigos

(Artigonal SC #1297978)